seta seta
João Frederico HOPFFER, [6m]*
(1740-1801)
Maria Serafina dos Santos Ribeiro de MACEDO, [6m]*
(1760-1808)
Pedro de SANTA, [6m]*
(1780-)
Francisca Monteiro de BRITO, [6m]*
(Cerca de 1782-)
João José António FREDERICO, [5m]* ®
(1799-1846)
Maria de Santa MONTEIRO, [5m]*
(1803-)

Francisco Frederico HOPFFER, ®
(1828-1919)

 

Relações da família

Cônjuges/Filhos:
1. Maria Antónia Bonini da Gama TAVARES

Francisco Frederico HOPFFER, ® 1

  • Nascimento: 28 Ago 1828, Praia, Santiago, Cabo Verde
  • Casamento (1): Maria Antónia Bonini da Gama TAVARES em 1866 em Lisboa, , Lisboa, Portugal
  • Óbito: 5 Dez 1919, Lisboa, , Lisboa, Portugal com 91 anos de idade 2
  • Sepult.: 6 Dez 1919, Lisboa, , Lisboa, Portugal

Símbolo   Francisco também usou o nome Doutor Hopffer.

imagem

Símbolo  Notas sobre o nascimento:

Cidade da Praia - Cabo Verde


Ver mapa maior

Símbolo  Notas sobre o óbito:

o enterro foi no Cemitério Ocidental tendo saído de sua residência na rua da Palma nº 224, 1º Esq.

imagem

Símbolo  Eventos de relevo na sua vida:

• Nota biográfica:,. 3 Nasceu a 28 de Agosto de 1828, na então vila da Praia, ilha de Santiago e faleceu a 5 de Dezembro de 1919 em Lisboa, com a categoria de tenente-coronel médico. Era filho de João José António Frederico e de D. Maria de Santa Frederico, neto de João Frederico Hopffer e era cunhado de Pedro Semedo Cardoso, todos residentes em S. Domingos, I. Santiago. Aluno bolseiro da província de Cabo Verde, com a obrigação de exercer na sua terra natal quando terminasse os estudos, seguiu para Portugal em 1841 e cursou na Escola Médico-Cirúrgica de Lisboa e tirou o seu diploma em 7 de Junho de 1852 e doutorou-se pela Universidade de Bruxelas onde fez exames com distinção. Por decreto de 5 de Abril de 1852 foi nomeado facultativo de 2ª classe do quadro de saúde da província de Cabo Verde e em 31 de Março de 1857 foi promovido à 1ª classe por merecimento e serviço ultrapassando facultativos mais antigos. Foi a primeira promoção deste tipo verificada nos quadros de Saúde do Ultramar.
·Partidário da eleição do ex-governador Arrobas para deputado por Cabo Verde, opôs-se às prepotências do governador Calheiros escrevendo vários artigos nos jornais portugueses, assinando representações e, por último, participando numa revolta contra o dito governador em Julho de 1858, de que resultou ter sido preso no dia 22 do mesmo mês e enviado ao Conselho de Guerra. Foi exonerado do cargo de Director do Serviço de Saúde em 4 de Setembro do mesmo ano e mandado sob prisão para a ilha do Maio a 8 do mesmo mês. Com a queda do governador Calheiros acabaram as suas privações e logo no ano seguinte, em 1859, recebeu por decreto de 23 de Fevereiro, a Ordem da Torre e Espada em atenção aos serviços prestados em 1856-57, no concelho de Santa Catarina, no combate à epidemia de cólera morbus e à atenção dada às vítimas e a coragem demonstrada no combate à doença e, por decreto real de 2 de Dezembro de 1859, foi nomeado Vogal do Conselho de Saúde Naval e do Ultramar. Seguiu para Lisboa onde, cerca de 1868, abriu um consultório médico que foi o primeiro que a cidade teve. Como médico higienista foi o primeiro que se dedicou a prevenir e combater as doenças no seu início e no Centro Promotor dos Melhoramentos das Classes Laboriosas de Lisboa organizou um curso livre de Higiene Popular que funcionava no palácio do Conde de Almada no Rossio. De regresso a Cabo Verde, iniciou em Novembro de 1869 idêntico curso no "Teatro Africano" da cidade da Praia, tendo as prelecções lugar todas as quartas-feiras com entrada livre. Em 1871, juntamente com os drs. Alfredo Trony e João Lacerda, foi nomeado membro da "Comissão directora da biblioteca e museus nacionais" encarregada de fundar a primeira biblioteca cabo-verdiana e ofereceu à novel instituição centenas de livros da sua biblioteca particular. Exerceu cargos públicos na sua terra natal como o de administrador do concelho de Santa Catarina na década de 50 e, entre 1871 e 1874, presidente da câmara do concelho de Ribeira Grande, ilha de Santo Antão. Depois de reformado passou a viver em Lisboa. Era membro da Academia Real de Ciências (de Lisboa) desde 1874 e no ano de 1884 foi agraciado a 8 de Maio com a Ordem de Santiago e a 13 de Outubro com a Ordem Militar de Cristo.
·Era um exímio atirador que não recuava quando desafiado para um duelo e manejava a pena com a mesma destreza que as armas. Manteve uma polémica no jornal lisboeta A Revolução de Setembro com o estadista português José da Silva Mendes Leal e com o deputado pela índia, Francisco Luís Gomes, sobre administração colonial. Colaborou no Boletim Oficiai, Almanach Luso-Africano, Novo Almanaque de Lembranças Luso-brasileiro, no jornal lisboeta A Revolução de Setembro (com artigos sobre a situação nas colónias), em revistas da sua especialidade como a Gazeta Médica de Lisboa, Jornal da Sociedade Ciências Médicas, etc.
Publicou: Apontamentos para a topografia médica da ilha do Maio - coligidos no ano de 1869, pelo Dr. Francisco Frederico Hopffer, Praia, I. S. Thiago, 1871, Imprensa Nacional de Cabo Verde, (o que talvez seja o primeiro livro cabo-verdiano, pois foi escrito por um cabo-verdiano, versa sobre Cabo Verde e foi impresso em Cabo Verde); uma epidemia de gripe ou influenza, Lisboa, 1890, Tip. Matos Moreira; Resposta ao quesito; convém aconselhar o sulfato de alumínio como preservativo das febres palúdicas? Lisboa, 1898, Tip. Matos Moreira. Além destes publicou (em livro? artigo? pelo menos os títulos referentes à Cabo Verde foram publicados no Boletim Oficial de Cabo Verde): Relatório sobre as epidemias de cólera-morbo, varíola e gripe; Relatório do Serviço de Saúde na Ilha de Santo Antão, com referência ao ano de 1872; Ao serviço da delegação da Junta de Saúde na mesma ilha, respectivo ao ano de 1873; Notícia sobre algumas águas minerais da ilha de Santo Anato, 1883; Da antiguidade e valia da massagem; Carta de um obscuro médico setentão em resposta a de um ilustre médico ultra-octogenário; Transactions of the Epidemia-logical Society of London; Notes on the epidemics of colera-morbus at the island of St. Iago Cape Vert in 1856.



• Foto idade avançada:, em Lisboa, , Lisboa, Portugal.

• Formou-se em Doutoramento em Bruxelas, Bélgica. Universidade de Bruxelas

• Formou-se em Licenciatura em Medicina a 7 Jun 1852 em Lisboa, , Lisboa, Portugal. 4 Aprovado com Louvor

• Haveres, bens e propriedades: 2 escravos a seu serviço, em 1856, em Praia, Santiago, Cabo Verde. 5

• Condecoração: Cavaleiro da Ordem de Torre e Espada, 23 Fev 1859, [Place]. 6

• Condecoração: Grau da Ordem de Santiago, 8 Mai 1884, [Place]. 7



• Condecoração: Comendador da Ordem de Cristo, 13 Out 1884, [Place]. 8



• Escrita/Handwrighting: correspondência científica, a 26 Fev 1896,. A respeito do lagarto gigante de Cabo Verde



• Documento: memórias de um amigo (Bulhão Pato) - (1), em 1905, em Évora, Alentejo, Portugal.



• Documento: memórias de um amigo (Bulhão Pato) - (2), em 1905, em Évora, Alentejo, Portugal.



• Documento: memórias de um amigo (Bulhão Pato) - (3), em 1905, em Évora, Alentejo, Portugal.



• Documento: memórias de um amigo (Bulhão Pato) - (4), em 1905, em Évora, Alentejo, Portugal.



• Escrita/Handwrighting: carta a um colega, a 5 Jul 1907, em Lisboa, , Lisboa, Portugal. 9

• Morou em nos últimos anos de vida em 1919 em Lisboa, , Lisboa, Portugal. 2 na rua da Palma nº 224 1º Esq.


imagem

Francisco casou com Maria Antónia Bonini da Gama TAVARES em 1866 em Lisboa, , Lisboa, Portugal. (Maria Antónia Bonini da Gama TAVARES nasceu em 1845 em Lisboa, , Lisboa, Portugal.)


imagem

Fontes


1 Enciclopédia Luso Basileira, vol. 13, pg 368.

2 Notícia na imprensa, Diário de Notícias. Data cit.: 6 Dez 1919.

3 João Nobre de Oliveira, A Imprensa Cabo-verdiana (1820-1975) (Edição da Fundação Macau - Direcção dos serviços de Educação e Juventude; Setembro de 1998, por ocasião da visita oficial a Cabo Verde do Governador de Macau, General Vasco Rocha Vieira. ISBN 972-658-017-X).

4 Enciclopédia Luso Basileira, vol 13. pg. 368.

5 António Carreira, Cabo Verde - Formação e Extinção de uma Sociedade Escravocrata (1460-1878) (Edição (3ª da obra) do IPC (Instituto da Promoção Cultural) na colecção "Estudos e Ensaios". Publicado na Praia em Dezembro de 2000. A 1ª edição (580pp. 40 fotos e 1 mapa) foi da Imprensa Nacional, em 1972, no Porto.), apenso nº 5, pg 467. Nº 123 da Relação dos senhores proprietários de escravos da ilha de Santiago-Praia; publicada em 1856. (Livros nºs 326 e 327).

6 Enciclopédia Luso Basileira, volume 13, pg 368.

7 Enciclopédia Luso Basileira, vol 13, pg 368.

8 Enciclopédia Luso Basileira, vol 13. pg 368.

9 Notícia na imprensa, reproduzida no Artiletra. Data cit.: Janeiro 2007.

Esclarecimentos do administrador deste site genealógico:

1) Muitas vezes por falta dum contacto não foi possível pedir às pessoas a devida autorização para divulgar seus dados e fotos neste site. A estas pessoas apresento desde já desculpas pelos eventuais constrangimentos causados por este procedimento, que foi, não por indelicadeza, mas sim e apenas, com intuito académico. Assim, aos que não desejariam conceder tal autorização, peço o favor de me contactarem com instruções a respeito (endereço electrónico incluso nesta página).

2) Porem, a todos os que quiserem colaborar na construção desta árvore, convido igualmente a enviar informações, ficheiros e fotos para:

Emailjorsoubrito@hotmail.com

3) Os nomes seguidos de um asterisco (*) são os dos ascendentes directos de Jorge Sousa Brito. Assim, ao navegar em linha ascendente a partir de um nome e encontrar um com (*), saberá que esse é dum antepassado comum de JSB e do portador do nome donde partiu

4) Nomes seguidos de um ® estão retratados por uma fotografia, uma pintura, um desenho ou uma escultura de seu portador

Pode procurar outros eventuais nomes nesta árvore utilizando a "box" a seguir:




Sumário | Apelidos | Lista de nomes

Esta página Web foi criada a 19 Nov 2017 com Legacy 9.0 de Millennia