seta seta seta seta
António Lopes da COSTA
(1863-1889)
Rufina Lopes CABRAL
António Pinhel ÉVORA
Maximiana Monteiro da ROCHA
Juvenal António Lopes da Costa CABRAL ®
(1889-1951)
Iva Pinhel ÉVORA ®
(1893-1977)

Amílcar Lopes CABRAL ®
(1924-1973)

 

Relações da família

Cônjuges/Filhos:
1. Maria Helena de Ataíde Vilhena RODRIGUES ®

Amílcar Lopes CABRAL ® 1

  • Nascimento: 12 Set 1924, Bafatá, , Bafata, Guinea-Bissau 1
  • Casamento (1): Maria Helena de Ataíde Vilhena RODRIGUES ® a 20 Dez 1951
  • Óbito: 20 Jan 1973, Conakry, , Conakry, Guinea com 48 anos de idade
imagem

Símbolo  Notas sobre o óbito:

assassinado

imagem

Símbolo  Eventos de relevo na sua vida:



• Local onde nasceu: Bafatá, , Bafata, Guinea-Bissau.

• Nota biográfica: Biografia Cronológica:.
1924, 12 de Setembro: Nasce em Bafatá, Guiné

1932: Vai para Cabo Verde

1943: Completa no Mindelo o curso liceal

1944: Emprega-se na Imprensa Nacional, na Praia

1945: Com uma bolsa de estudo, ingressa no Instituto Superior de Agronomia, em Lisboa

1950: Termina o curso e trabalha na Estação Agronómica de Santarém

1952: Regressa a Bissau, contratado para os Serviços Agrícolas e Florestais da Guiné

1955: O governador impõe a sua saída da colónia; vai trabalhar para Angola; liga-se ao MPLA

1956: Criação em Bissau do PAIGC

1960: O Partido abre uma delegação em Conacri; a China apoia a formação de quadros do PAIGC

1961: Marrocos abre as portas aos membros do Partido

1963, 23 de Janeiro: Início da luta armada, ataque ao aquartelamento de Tite, no sul da Guiné; em Julho o PAIGC abre a frente norte

1970, 1 de Julho: O papa Paulo VI concede audiência a Amílcar Cabral, Agostinho Neto e Marcelino dos Santos

1970, 22 de Novembro: O governador da Guiné-Bissau decide e Alpoim Calvão chefia a operação "Mar Verde" destinada a capturar ou a eliminar os dirigentes do PAIGC sediados em Conacri: fracasso!

1973, 20 de Janeiro: Amílcar Cabral é assassinado em Conacri

1973, 24 de Setembro: Nas matas de Madina do Boé, o PAIGC declara, unilateralmente, a independência da Guiné-Bissau.



• Residência: tempo de infância: Achada Falcão, Santa Catarina, Santiago, CaboVerde.

• Sinalética, Ago 1945. 1
Cor da pele
: preta
Altura: 1,65m
Olhos: castanhos
Cabelos: crespos
Barba: /

• Profissão: estudante, Ago 1945. 1

• Residência, Ago 1945, Praia, Santiago, Cabo Verde. 1



• Foto jovem.



• Formação: engenheiro agrónomo, 1951.

• Nota biográfica. 2 Nasceu em Bafatá, Guiné-Bissau, e com oito anos vem para Cabo Verde. Completou a instrução primária na Praia e fez o ensino secundário no Liceu Gil Eanes. Licenciou-se em Agronomia (1951) e, enquanto estudante, desenvolveu atividades culturais e políticas na Casa dos Estudantes do Império em Lisboa. Trabalhou como engenheiro agrónomo na Guiné-Bissau. Fundou o PAIGC (1956), dirigiu a luta de libertação da Guiné e de Cabo Verde (até ao ano em que foi as sassinado) e desenvolveu uma intensa ação política e diplomática contra o colonialismo português em vários países e em fóruns internacionais, como a ONU e a OUA. Ainda estudante universitário publicou no Cabo Verde: Boletim de Propaganda e Informação (destaca-se o artigo "A propósito da educação", junho de 1951). Publicou obras de caracter científico (agronomia) e politico. A sua vida e obra constam de uma vasta bibliografia.

• Nota biográfica: constante no site da Academia Cabo-verdiana de Letras. em virtude de ser patrono da cátedra nº 27 das 40 desta Academia

"Amílcar Lopes da Costa Cabral, também conhecido pelo pseudónimo Abel Djassi, nasceu a 12 de Setembro de 1924 em Bafatá, Guiné-Bissau (antiga Guiné Portuguesa) e morreu a 20 de Janeiro de 1973 em Conacri, Guiné. Filho de Iva Pinhel Évora (Guiné) e Juvenal Cabral (Cabo Verde), casou com Maria Helena Vilhena Rodrigues em 1951, divorciou-se em 1966 e voltou a casar com Ana Maria Foss de Sá em Maio do mesmo ano, com quem viveu até ao seu assassinato em 1973. Aos 8 anos, partiu para viver com a família em Cabo Verde, em Santa Catarina, na ilha de Santiago, onde completou os seus estudos primários. Mais tarde, ele se mudou com sua mãe e seus irmãos para Mindelo, onde concluiu o ensino médio em 1943. Para ganhar a vida, foi para a Praia e entrou na Imprensa nacional. Mas apenas um ano depois obteve uma bolsa de estudo e entrou para o Instituto Superior de Agronomia de Lisboa em 1945, e ao mesmo tempo iniciou a sua actividade política. Após se formar cinco anos depois, encontrou um emprego na Estação Agronómica de Santárem, onde permaneceu durante dois anos. Em 1952, assinou um contrato para trabalhar para os Serviços agrícolas e florestais da Guiné e partiu para Bissau. Foi durante o censo agrícola de 1953 que ele adquiriu um conhecimento preciso das condições de vida e da realidade económica em que a população vivia. A sua actividade política ainda activa desagradou ao governador em exercício, obrigando-o a emigrar para Angola, onde se juntou ao MPLA. O ponto de viragem veio em 1959. Amílcar Cabral, seu irmão Luis Cabral, Aristides Pereira, Fernando Fortes, Júlio de Almeida e Elisée Turpin fundaram o partido clandestino PAIGC, o Partido áfricano para a independência da Guiné e Cabo Verde. Apenas quatro anos depois, o PAIGC saiu do esconderijo e se estabeleceu em Conacri, capital da República da Guiné-Conacri. Foi em 23 de Janeiro de 1963 que a luta armada contra Portugal colonialista começou. Em 1970, Amílcar Cabral, Agostinho Neto e Marcelino dos Santos obtiveram uma audiência privada com o pároco Paulo VI, enquanto no final do ano, o governador português da Guiné-Bissau lançou a Operação Mar Verde que visava pura e simplesmente a captura ou eliminação do jovem líder carismático do PAICG, sem sucesso. Como Cabral previu, se ele morresse não estaria nas mãos dos portugueses, mas nas mãos dos seus próprios camaradas. E a história provaria que ele tinha razão. Em 20 de janeiro de 1973, Amílcar Cabral foi assassinado por dois membros do partido em Conacri. As teorias multiplicam-se quanto às razões para este acto violento. O mais provável é que Cabral estivesse a tentar alcançar uma aproximação diplomática com Portugal, em detrimento da luta armada. E, de facto, a consequência deste assassinato foi uma intensificação da referida luta e a proclamação unilateral da independência da Guiné-Bissau a 24 de Setembro de 1973."


imagem

Amílcar casou com Maria Helena de Ataíde Vilhena RODRIGUES ®, filha de Joaquim RODRIGUES e Carlota Athayde de Sousa VILHENA, a 20 Dez 1951. O casamento acabou em separação em 1966. (Maria Helena de Ataíde Vilhena RODRIGUES ® nasceu em 1927 em Casas Novas, , Vila Real, Portugal e faleceu em 2005.)


Símbolo  Notas sobre o casamento:

separaram-se em 1966.Cabral passou a viver com uma jovem guineense, Ana Maria Voss de Sá, enquanto Maria Helena se consorciou com Henrique Cerqueira, um português pertencente ao círculo do general Humberto Delgado

imagem

Fontes


1 "Divulgados por FamilySearch," Número do Filme: 007031379; registo 134; imagens 16 e 17; Arquivo Nacional de Cabo Verde, Praia. Data cit.: 14 Ago 1945; clique aqui

"Cabo Verde,Bilhetes de identidade, Praia, ACP-Lv 357, 1945-1950. Arquivo Nacional de Cabo Verde (Cape Verde National Archives), Praia.

2 João Nobre de Oliveira, A Imprensa Cabo-verdiana (1820-1975) (Edição da Fundação Macau - Direcção dos serviços de Educação e Juventude; Setembro de 1998, por ocasião da visita oficial a Cabo Verde do Governador de Macau, General Vasco Rocha Vieira. ISBN 972-658-017-X), pp. 707/708.

Esclarecimentos do administrador deste site genealógico:

1) Por falta dum contacto (ou algumas vezes por descuido), não me foi possível pedir às pessoas a devida autorização para divulgar seus dados e/ou fotos neste site. A estas pessoas apresento desde já desculpas pelos eventuais constrangimentos causados por este procedimento, que não foi por indelicadeza, mas sim e apenas com intuito académico. Assim, aos que não desejariam conceder tal autorização, peço o favor de me contactarem com instruções a respeito (endereço electrónico incluso nesta página).

2) Este site tem também o propósito de recolher dados e correcções que permitirão aperfeiçoar o trabalho de pesquisa pois certamente há de conter imprecisões. Assim, contamos consigo, e se quiser comentar ou solicitar o retiro, acrescento ou a troca de dados, documentos ou fotografias, sinta-se livre para nos contactar (e-mail a seguir). Em muitas páginas não se encontram listados todos os filhos da pessoa apresentada. Nada impede de virem a ser paulatinamente acrescentados, à medida que informações fidedignas nos forem fornecidas.

3) A todos os que quiserem colaborar na construção desta árvore, convido igualmente a enviar informações, ficheiros e fotos para:

Emailjorsoubrito@gmail.com.

4) Os nomes seguidos de um asterisco (*) são os dos ascendentes diretos de Jorge Sousa Brito. Assim, ao navegar a partir de um nome em linha ascendente e encontrar um nome com (*), saberá que este é dum antepassado comum de JSB e do portador do nome donde partiu.

5) Nomes seguidos de um ® estão retratados por uma fotografia, uma pintura, um desenho, uma caricatura ou uma escultura de seu portador

Pode procurar outros eventuais nomes nesta árvore utilizando a "box" a seguir:




Sumário | Apelidos | Lista de nomes

Esta página Web foi criada a 19 Mai 2022 com Legacy 9.0 de Millennia