seta seta seta
José LOPES DA SILVA ®
(1872-1962)
Isabel BENOLIEL ®
(1872-1941)
António MORAZZO
(antes de 1878-)
Helena dos SANTOS
Vasco da Gama LOPES DA SILVA ®
(1902-1959)
Ida Santos MORAZZO ®
(1903-)

Yolanda Morazzo LOPES DA SILVA ®
(1927-2009)

 

Relações da família

Cônjuges/Filhos:
1. José Vasco LOPES

2. Fernando Cruz FERREIRA ®

Yolanda Morazzo LOPES DA SILVA ®

  • Nascimento: 16 Dez 1927, Mindelo, São Vicente, Cape Verde
  • Casamento (1): José Vasco LOPES
  • Casamento (2): Fernando Cruz FERREIRA ® cerca de 1960 em Lisboa, , Lisboa, Portugal
  • Óbito: 27 Jan 2009, Lisboa, , Lisboa, Portugal com 81 anos de idade
imagem

Símbolo  Notas gerais:

Nasceu em 16 de Dezembro de 1927, natural da ilha de S. Vicente. Neta de José Lopes da Silva. Uma das raras poetisas cabo-verdianas deste período e a única voz feminina na revista Claridade. Frequentou o Liceu Gil Eanes do Mindelo e concluiu os seus estudos liceais em Lisboa, para onde foi em 1943, e onde fez os cursos de Francês no Instituto Francês e o de inglês no Instituto Britânico. Emigrou para Angola onde foi professora da Ailiance Française em Luanda. Deixou Angola em 1975 na sequência da descolonização e reside hoje em Lisboa. • Colaborou na Claridade, Cabo Verde - Boletim de Propaganda e Informação, no Suplemento Cultural; Ponto & Vírgula e Artiletra nos portugueses Artes e Letras do Diário de Notícias; nos angolanos Província de Angola, Jornal do Lobito, Notícia, República, etc. Figura em: Modernos poetas cabo-verdianos - Antologia, Praia, I. Santiago, 1961; Nós somos todos nós. Antologia Portugalidade, Luanda, Angola, 1969; A mulher e a sensibilidade portuguesa, Luanda, Angola, 1970; e No reino de Caliban - Antologia panorâmica da poesia africana de expressão portuguesa, Lisboa 1975. • Publicou: Cântico de /erro, Lisboa, 1976, 80 p. 1

Símbolo  Notas de investigação:

Yolanda MORAZZO
from CAPE VERDE
writing in Portuguese

Born in São Vicente, Cape Verde in 1928, Yolanda Morazzo trained as a language teacher. A prolific writer, her work has appeared in a number of publications in Cape Verde and Portugal. Indeed, she lived for many years in Portugal and Angola. Morazzo writes poetry and short fiction and her work reflects a decidedly Cape Verdean viewpoint. Although she now has produced a substantial body of work, to date just a single book of her poetry has appeared: Poesia de Intervenção (1976), a title which bespeaks very clearly the tone of her writing.

Sources: Aldónio Gomes and Fernanda Cavacas; Tony Simoes da Silva.

Símbolo  Notas sobre o nascimento:

Cidade do Mindelo - Cabo Verde


Ver mapa maior

imagem

Símbolo  Eventos de relevo na sua vida:



• Foto jovem: "Yolanda a coquete". "Em rapariga eu cultivava a coqueterie" disse Yolanda à jornalista do Artiletra (jornal-revista cabo-verdiano de artes e letras)



• Foto jovem.

• Obra: poetisa. Barcos

Yolanda Morazzo

"Nha terra é quel piquinino
É São Vicente é que di meu"

Nas praias
Da minha infância
Morrem barcos
Desmantelados.

Fantasmas
De pescadores
Contrabandistas
Desaparecidos
Em qualquer vaga
Nem eu sei onde.

E eu sou a mesma
Tenho dez anos
Brinco na areia
Empunho os remos...
Canto e sorrio...
A embarcação
Para o mar!
É para o mar!...

E o pobre barco
O barco triste
Cansado e frio
Não se moveu...

• Grau académico: Doutoramento, 1988, Lisboa, , Lisboa, Portugal. sobre Baltazar Lopes da Silva



• Artigo na Imprensa / Notícia: Entrevista, Dez 2006, Lisboa, , Lisboa, Portugal. no nº 79 do jornal-revista Artiletra

• Nota biográfica: constante no site da Academia Cabo-verdiana de Letras. em virtude de ser patrono da cátedra nº 29 das 40 desta Academia

"Amílcar Lopes da Costa Cabral, também conhecido pelo pseudónimo Abel Djassi, nasceu a 12 de Setembro de 1924 em Bafatá, Guiné-Bissau (antiga Guiné Portuguesa) e morreu a 20 de Janeiro de 1973 em Conacri, Guiné. Filho de Iva Pinhel Évora (Guiné) e Juvenal Cabral (Cabo Verde), casou com Maria Helena Vilhena Rodrigues em 1951, divorciou-se em 1966 e voltou a casar com Ana Maria Foss de Sá em Maio do mesmo ano, com quem viveu até ao seu assassinato em 1973. Aos 8 anos, partiu para viver com a família em Cabo Verde, em Santa Catarina, na ilha de Santiago, onde completou os seus estudos primários. Mais tarde, ele se mudou com sua mãe e seus irmãos para Mindelo, onde concluiu o ensino médio em 1943. Para ganhar a vida, foi para a Praia e entrou na Imprensa nacional. Mas apenas um ano depois obteve uma bolsa de estudo e entrou para o Instituto Superior de Agronomia de Lisboa em 1945, e ao mesmo tempo iniciou a sua actividade política. Após se formar cinco anos depois, encontrou um emprego na Estação Agronómica de Santárem, onde permaneceu durante dois anos. Em 1952, assinou um contrato para trabalhar para os Serviços agrícolas e florestais da Guiné e partiu para Bissau. Foi durante o censo agrícola de 1953 que ele adquiriu um conhecimento preciso das condições de vida e da realidade económica em que a população vivia. A sua actividade política ainda activa desagradou ao governador em exercício, obrigando-o a emigrar para Angola, onde se juntou ao MPLA. O ponto de viragem veio em 1959. Amílcar Cabral, seu irmão Luis Cabral, Aristides Pereira, Fernando Fortes, Júlio de Almeida e Elisée Turpin fundaram o partido clandestino PAIGC, o Partido áfricano para a independência da Guiné e Cabo Verde. Apenas quatro anos depois, o PAIGC saiu do esconderijo e se estabeleceu em Conacri, capital da República da Guiné-Conacri. Foi em 23 de Janeiro de 1963 que a luta armada contra Portugal colonialista começou. Em 1970, Amílcar Cabral, Agostinho Neto e Marcelino dos Santos obtiveram uma audiência privada com o pároco Paulo VI, enquanto no final do ano, o governador português da Guiné-Bissau lançou a Operação Mar Verde que visava pura e simplesmente a captura ou eliminação do jovem líder carismático do PAICG, sem sucesso. Como Cabral previu, se ele morresse não estaria nas mãos dos portugueses, mas nas mãos dos seus próprios camaradas. E a história provaria que ele tinha razão. Em 20 de janeiro de 1973, Amílcar Cabral foi assassinado por dois membros do partido em Conacri. As teorias multiplicam-se quanto às razões para este acto violento. O mais provável é que Cabral estivesse a tentar alcançar uma aproximação diplomática com Portugal, em detrimento da luta armada. E, de facto, a consequência deste assassinato foi uma intensificação da referida luta e a proclamação unilateral da independência da Guiné-Bissau a 24 de Setembro de 1973."


imagem

Yolanda casou com José Vasco LOPES. O casamento acabou em divórcio cerca de 1960. (José Vasco LOPES nasceu a 25 Jan 1919 em Lisboa, , Lisboa, Portugal e faleceu em 1991.)


imagem

Yolanda a seguir casou com Fernando Cruz FERREIRA ® cerca de 1960 em Lisboa, , Lisboa, Portugal.


imagem

Fontes


1 João Nobre de Oliveira, A Imprensa Cabo-verdiana (1820-1975) (Edição da Fundação Macau - Direcção dos serviços de Educação e Juventude; Setembro de 1998, por ocasião da visita oficial a Cabo Verde do Governador de Macau, General Vasco Rocha Vieira. ISBN 972-658-017-X).

Esclarecimentos do administrador deste site genealógico:

1) Por falta dum contacto (ou algumas vezes por descuido), não me foi possível pedir às pessoas a devida autorização para divulgar seus dados e/ou fotos neste site. A estas pessoas apresento desde já desculpas pelos eventuais constrangimentos causados por este procedimento, que não foi por indelicadeza, mas sim e apenas com intuito académico. Assim, aos que não desejariam conceder tal autorização, peço o favor de me contactarem com instruções a respeito (endereço electrónico incluso nesta página).

2) Este site tem também o propósito de recolher dados e correcções que permitirão aperfeiçoar o trabalho de pesquisa pois certamente há de conter imprecisões. Assim, contamos consigo, e se quiser comentar ou solicitar o retiro, acrescento ou a troca de dados, documentos ou fotografias, sinta-se livre para nos contactar (e-mail a seguir). Em muitas páginas não se encontram listados todos os filhos da pessoa apresentada. Nada impede de virem a ser paulatinamente acrescentados, à medida que informações fidedignas nos forem fornecidas.

3) A todos os que quiserem colaborar na construção desta árvore, convido igualmente a enviar informações, ficheiros e fotos para:

Emailjorsoubrito@gmail.com.

4) Os nomes seguidos de um asterisco (*) são os dos ascendentes diretos de Jorge Sousa Brito. Assim, ao navegar a partir de um nome em linha ascendente e encontrar um nome com (*), saberá que este é dum antepassado comum de JSB e do portador do nome donde partiu.

5) Nomes seguidos de um ® estão retratados por uma fotografia, uma pintura, um desenho, uma caricatura ou uma escultura de seu portador

Pode procurar outros eventuais nomes nesta árvore utilizando a "box" a seguir:




Sumário | Apelidos | Lista de nomes

Esta página Web foi criada a 23 Out 2021 com Legacy 9.0 de Millennia