seta seta
José Coelho Pereira SERRA ®
(1872-1930)
Maria do Carmo Carvalho da SILVA ®
(1872-1958)
Manuel Coelho Pereira SERRA ®
Laura Maria RAMOS

Francisco José Coelho Pereira SERRA ®
(1947-)

 

Relações da família

Francisco José Coelho Pereira SERRA ®

  • Nascimento: 24 Fev 1947, Praia, Santiago, Cabo Verde

Símbolo   Outro nome para Francisco é Chico SERRA.

imagem

Símbolo  Eventos de relevo na sua vida:

• Facebook (acesso condicionado às restrições impostas pela pessoa). clique aqui

• Categoria / função laboral: funcionário de Electra: Mindelo, São Vicente, Cape Verde.



• Foto 3ª idade, 2012.



• Homenagem/Louvor/Reconhecimento: do periódico Artiletra, 25 Jul 2017.



• Nota biográfica: publicada pela revista "Nos Genti". Francisco Coelho Pereira Serra nasceu na Praia em 1947. Com apenas dois meses de idade, foi levado pelos pais para o Mindelo, onde ainda hoje reside. Começou a tocar piano precocemente, aos 4 anos, por influência da família, que estava ligada à música. Nunca frequentou conservatórios ou academias: aprendeu a tocar apenas de ouvido, de forma autodidata. O pianista e compositor, foi um dos participantes ativos no movimento de intervenção da música cabo-verdiana.
[su_spacer]
Chico SerraNa sua adolescência, Cabo Verde era uma colónia do regime, com a presença constante da tropa portuguesa. "À medida que fui crescendo, ouvia falar de política, da guerra na Guiné e da luta de libertação. Em 1966, ouvia, às escondidas, as notícias emitidas pela rádio clandestina e tudo o que se estava a passar, em Bissau. Em 1968, quando fui para a Holanda tocar, o meu empresário, era o responsável pelo PAIGC naquele país, começou a inteirar-me da política e dos ideais da luta de libertação."

Assistiu ao 25 de abril em Cabo Verde. Recorda que "nessa altura, havia uma grande movimentação, especialmente da juventude. Em 1974, eu tinha 25 anos e trabalhava na junta autónoma da distribuição de água na cidade do Mindelo. Também fazia parte de um grupo musical, mas havia sempre um certo receio, porque nunca sabíamos quem é que andava atrás de nós. Um grande amigo dos EUA, gravou um disco de música de intervenção e conseguiu fazê-lo chegar até nós. Ouvíamo-lo às escondidas. Só após a independência é que essas músicas começaram a ser transmitidas na rádio." Fruto dessa inspiração, Chico Serra gravou, em 1969, uma morna que passou a ser o tema de abertura da Rádio Libertação, em Guiné-Bissau." Conforme recorda, "antes da independência era extremamente difícil compor algo que fosse contra as ideias do regime, pois, além da censura, havia perseguições. Após da independência, começaram então a aparecer muitas músicas de intervenção. Lembro-me de uma composição que, apesar de nunca a ter gravado, foi um grande sucesso, pois foi registada em Portugal anos mais tarde", recorda.

Para Chico Serra, a música de intervenção teve muita influência na independência de Cabo Verde. "As pessoas ouviam-na através da Radio Libertação e muitos que a cantavam, nem se apercebiam do que estavam a dizer, no entanto a mensagem passava e moldava e alertava para as injustiças que todos os dias vivíamos".

12- Chico Serra - Revista Nos Genti -A quando da independência nacional, "dizia-se que Cabo Verde era um país inviável. No entanto, apesar do arquipélago ter crescido, ainda existe o risco de regressão", afirma o músico. "Tem de se investir nos recursos que temos. A pesca é um bom exemplo. As pessoas têm que interiorizar que, para se conseguir qualquer coisa nesta vida, é necessário muito esforço e trabalho. A juventude não pode pensar só em arranjar emprego", diz.

O turismo é outro dos grandes potenciais e fonte de receitas de Cabo Verde, "embora as praticas do operadores turísticos que atuam atualmente no país, não nos favorecem em nada: o turista chega ao hotel, dão-lhe aquela pulseira e oferecem-lhes tudo dentro do espaço. Não há necessidade de saírem dos complexos turísticos. Se viessem cá para fora, encontrariam restaurantes com música ao vivo e com comida cabo-verdiana típica. Ajudavam ao crescimento económico do país e conheciam a nossa cultura tradicional. Cabo Verde precisa da indústria turística para se desenvolver, mas não nos moldes atuais", lamenta o músico e compositor. O progresso de Cabo Verde nos últimos 37 anos também trouxe consigo malefícios sociais. O músico garante que, "gostaria de ver Cabo Verde com fábricas, para dar trabalho aos cidadãos. Os nossos governantes que revejam a lei de investimentos em Cabo Verde, porque quem aqui chega, paga o que quer, sem que haja uma lei que estipule um vencimento mínimo aos cabo-verdianos, que, há semelhança do tempo colonial, também agora são explorados", e adianta que "tem de aparecer investimento para dar trabalho aos jovens. São necessárias mais escolas e formação profissional. Há que definir novas regras e os partidos políticos têm de se alinhar, definindo-as para bem do nosso futuro."

Para Chico Serra, "Cabo Verde é hoje um país verdadeiramente democrático, embora ainda haja muito a corrigir. Existe tolerância política e cada um é responsável pelo que diz". Contudo, adianta que "a justiça poderia funcionar melhor, de forma mais célere e eficaz, para que os casos mais simples não fiquem eternamente a aguardar a resolução dos mais complexos. Conclui dizendo que "há ainda em Cabo Verde muita influência da herança colonial e da educação que tivemos, mas passados estes 37 anos, voltaria a fazer as mesmas músicas de intervenção com o mesmo prazer, pois o nosso povo merece a liberdade que conquistou".


imagem

Esclarecimentos do administrador deste site genealógico:

1) Por falta de um contacto (ou algumas vezes por descuido), não me foi possível pedir às pessoas a devida autorização para divulgar seus dados e/ou fotos neste site. A estas pessoas apresento desde já desculpas pelos eventuais constrangimentos causados por este procedimento, que não foi por indelicadeza, mas sim e apenas com intuito académico. Assim, aos que não desejariam conceder tal autorização, peço o favor de me contactarem com instruções a respeito (endereço electrónico incluso nesta página).

2) Este site tem também o propósito de recolher dados e correcções que permitirão aperfeiçoar o trabalho de pesquisa pois certamente há de conter imprecisões. Assim, contamos consigo, e se quiser comentar ou solicitar o retiro, acrescento ou a troca de dados, documentos ou fotografias, sinta-se livre para me contactar (e-mail a seguir). Em muitas páginas não se encontram listados todos os filhos da pessoa apresentada. Nada impede de virem a ser paulatinamente acrescentados, à medida que informações fidedignas me forem fornecidas.

3) A todos os que quiserem colaborar na construção desta árvore, convido igualmente a enviar informações, ficheiros e fotos para:

Emailjorsoubrito@gmail.com.

4) Os nomes seguidos de um asterisco (*) são os dos ascendentes diretos de Jorge Sousa Brito. Assim, ao navegar a partir de um nome em linha ascendente e encontrar um nome com (*), saberá que este é dum antepassado comum de JSB e do portador do nome donde partiu.

5) Fotografias originais a branco e preto e/ou degradadas, vão sendo, após tratamentos digitais, paulatinamente substituídas por versões com maior nitidez, tornadas coloridas e restauradas.

6) Nomes seguidos de um ® estão retratados por uma fotografia, uma pintura, um desenho, uma caricatura ou uma escultura de seu portador

Pode procurar outros eventuais nomes nesta árvore utilizando a "box" a seguir:




Início | Sumário | Apelidos | Lista de nomes

Esta página Web foi criada a 27 Jun 2022 com Legacy 9.0 de Millennia